Arquivos Mensais: julho 2019


Hemose: Médico Richer Mota realiza a doação de plaquetas por Aférese

O Centro de Hemoterapia de Sergipe (Hemose) prossegue com a doação de plaquetas pelo método de Aférese para atendimento da demanda transfusional da rede hospitalar. A infusão de plaquetaferese é solicitada para conter sangramentos de pacientes com diagnóstico de leucemias, câncer, anemia aplástica, dengue, e em tratamentos que utilizam a quimioterapia e a radioterapia.

Esse procedimento tem como benefício o fato de ser oriundo de apenas um doador, o que possibilita a redução de risco de eventos adversos durante o processo transfusional. Pensando nessa proteção, o médico pediatra oncohematologista, Richer Mota, sempre que necessário prescreve a infusão de concentrado de plaquetas por Aférese para seus pacientes, no ambulatório do Hemose e no Hospital de Urgência de Sergipe (Huse).

Conforme Richer, o público que faz uso de plaquetas são pacientes que sangram devido a baixa contagem de plaquetas.  “Uma doação por aférese contém oito vezes mais plaquetas do que numa doação tradicional. A vantagem desse método para o paciente é que ao ser transfundido ele irá receber plaquetas de apenas um doador”, justifica o médico voluntário.

De acordo com informações do enfermeiro Reinaldo Melo, responsável técnico pela enfermagem do Hemocentro de Sergipe para colaborar com esse tipo de doação o cidadão passa por uma avaliação clinica, não deve estar fazendo o uso de ácido acetilsalicílico (AAS), anti-inflamatórios e remédios para pressão e, também realiza o exame de hemograma com contagem de plaquetas.

“Os critérios são os mesmos da doação de sangue convencional, a diferença esta no hemograma que deve apresentar um resultado superior a 200.000/mm de plaquetas, no momento da realização da doação”, relata Melo ao detalhar. “Durante o processo a máquina coleta 10% das plaquetas circulantes no organismo do doador. A medula óssea do doador repõe esta quantidade de plaquetas em 24 horas, sem prejuízo ao mesmo”, conclui o enfermeiro.

Doação

Para doação de plaquetas o doador é conectado à máquina de Aférese, através de punção venosa em um dos braços. Por centrifugação a máquina separa o sangue do doador e retira somente as plaquetas, devolvendo as outras células ao doador. O sangue não entra em contato com a máquina e sim, com um material descartável e estéril que se chama Kit. O procedimento tem duração que varia de 60 minutos a uma hora e meia. Mais informações sobre o procedimento através dos telefones: (79)3225-8000,3225-8039 e 3259-3174.

Empresa solidária estimula doação de sangue entre funcionários durante Sipa

Dando continuidade as ações para sensibilização relativas à captação de doadores de sangue o  Centro de Hemoterapia de Sergipe (Hemose) recebeu o grupo de funcionários do Centro de Distribuição de Vendas em Aracaju da Pepsico. Essa primeira campanha contou com a participação de pessoal da administração e de vendas.

Na ocasião a gerente de Ações Estratégicas do hemocentro, Rozeli Dantas, relatou que a partir de atividades internas, muitas empresas buscam a unidade para firmar parceria no sentido de promover a doação de sangue. “Essa é uma oportunidade que temos a favor do serviço e aproveitamos para explicar que muitos pacientes dependem desse voluntariado da população com potencial para doar sangue”, salientou a gestora.

Marcell de Melo Dias e André Cruz dos Santos, junto com outros colegas realizaram a primeira doação de sangue, por conta da iniciativa da empresa onde trabalham. “Todo mundo pensa em doar sangue, e sempre tem uma desculpa. No nosso caso foi a empresa que arrumou tudo, então ficou mais fácil poder vim aqui conhecer e, agora ajudar”, comentaram.

Responsável pela coordenação da campanha, a colaborada da Pepsico, Elaine Silva, informou que a doação de sangue foi um dos assuntos debatidos durante a Semana Interna de Prevenção de Acidentes do Trabalho (Sipat). “A empresa trabalha temas de prevenção e cuidados com a saúde. A doação de sangue entrou como uma abordagem solidária, para estimular a adesão das equipes de trabalho”, disse ao avaliar. “O resultado foi positivo, a maioria dos funcionários ficaram motivados e doaram sangue”, confirmou Silva.

O Hemose fornece bolsas de sangue para demanda transfusional de pacientes em 38 unidades de saúde do Estado, além de atender pacientes portadores de coagulopatias e hemoglobinopatias (enfermidades no sangue) no ambulatório da unidade. Com apenas uma doação de sangue é possível salvar até quatro vidas, após as analises sorológicas o sangue doado é fracionado nos seguintes componentes:  hemácias, plaquetas e plasma.

Mais detalhes sobre o serviço de doação de sangue, cadastro de medula óssea, palestras e visitas técnicas, através dos telefones: (79) 3225-8000, 3225-8039 e 3259-3174.

Serviço de captação do Hemose enfatiza importância de sangues Rh negativo

Fillipe de Mello Sousa é doador universal e um exemplo a ser seguido.  A cada três meses, ele colabora com os estoques do sangue O negativo no Centro de Hemoterapia de Sergipe (Hemose).  “Independente de ser uma pessoa próxima ou não, é importante ajudar e servir a todos de forma igualitária”, destaca o voluntário fidelizado durante uma nova doação.
O compromisso de Fillipe com o serviço auxilia o atendimento da demanda transfusional da rede hospitalar, que precisa de sangues O, A, B e Ab negativo, para prestar assistência a pacientes em tratamento oncológico, leucemias, anemias, vítimas de traumas e recém-nascidos. “Estamos reforçando a captação desses sangues em função das solicitações para esses grupos de pacientes”, informa a gerente de Ações Estratégicas do Hemose, Rozeli Dantas.
De acordo com a assistente social na ausência de qualquer tipo sanguíneo, o sangue O negativo, pode ser utilizado para suprir a necessidade, inclusive, de sangue Rh positivo. “Os hospitais realizam diariamente diversos procedimentos que necessitam da transfusão de algum componente do sangue, podendo ser hemácia, plaqueta ou plasma”, justifica.
Na gerência de Ações Estratégicas a equipe trabalha em contato direto com o doador cadastrado ao hemocentro, através de mensagens e ligações telefônicas. “Os estoques de concentrado de hemácias estão em um bom nível, estamos buscando doadores fator Rh negativo, e a reposição dos estoques de plaquetas pelo método de Aférese”, explicou ao detalhar. “Esse procedimento utiliza um equipamento que é conectado ao doador através de punção da veia e coleta apenas as plaquetas. Os demais componentes do sangue retornam ao organismo”, frisa Rozeli.
Como o mês de julho tem como característica o período de chuvas frequentes e férias escolares, o Hemose intensifica os serviços de agendamento de campanhas para doação de sangue, cadastro de medula óssea, palestras e visitas técnicas. Lembrando que em conformidade com a legislação, o homem pode doar sangue a cada dois a três meses e a mulher a cada três ou quatro meses.
Critérios
Para doar sangue, basta estar em boas condições de saúde, ter entre 16 e 69 anos, pesar mais de 50 quilos e apresentar documento oficial com foto, válido em todo território nacional. No dia anterior a doação de sangue é preciso dormir pelo menos 6 horas, e não ingerir bebidas alcoólicas nas 12 horas que antecede o procedimento. Mais informações através dos telefones: (79) 3225-8000, 3225-8039 e 3259-3174.

Iniciativas voluntárias contribuem com 590 doações de sangue em uma semana

A primeira semana de julho o Centro de Hemoterapia de Sergipe (Hemose) registrou 778 cadastros com 590 doações de sangue. Os dados resultantes de iniciativas individuais e de grupos, como o ‘Juventude Solidária’, contou com a adesão de estudantes e profissionais comprometidos com ações de promoção ao bem estar  social.
Nesta primeira edição da campanha de 2019, na última sexta-feira, 5,  a iniciativa reuniu a advogada Thialy Macedo que convidou o pai, o contador Fabio Amorim para participar da ação. “Sou doador de sangue O positivo. Minha filha sabe que valorizo esse assunto, por isso, resolvi apoiá-la nessa ação do grupo”, justificou.
“Gosto de participar de ações do bem. Sei que de alguma forma vou ajudar, e, não vai fazer falta para meu organismo. O que eu estou doando será reposto, o próprio organismo trata de produzir esse sangue doado”, declarou a doadora, Paloma de Freitas Carvalho, durante a coleta.
Conforme a gerente de Ações Estratégicas, a assistente social, Rozeli Dantas, os projetos com o envolvimento de jovens comprovam a conscientização para ações de responsabilidade social. “Temos vários grupos o Juventude Solidária está se somando a essa causa de cidadania e contribuindo para que muitas vidas sejam salvas diariamente”, elogiou a gestora.
O Hemocentro de Sergipe prossegue ao longo do mês de julho com as atividades destinadas a sensibilização para doação de sangue. “Como tivemos o aumento das solicitações para os sangues fator Rh negativo, o nosso convite é para aqueles voluntários O, A, B e Ab negativo. Quem tiver um desses grupos sanguíneos e estiver no período de doar é importante prestar essa ajuda aos pacientes que necessitam”, alertou Rozeli.
Mais informações sobre o serviço de doação de sangue, campanhas, palestras e hemotur, através dos telefones: (79) 3225-8000, 3225-8039 e 3259-3174.

Hemose: Serviços não terão expediente no feriado da Emancipação Política de Sergipe e retornam na terça-feira

O Centro de Hemoterapia de Sergipe (Hemose) informa que na segunda-feira, 8 de julho, feriado da Emancipação Política de Sergipe os serviços de doação de sangue e o atendimento ambulatorial não funcionam. A dispensação de sangue e hemocomponentes para rede hospitalar do Estado mantém a rotina de trabalho em regime de plantão 24 horas.
Na terça-feira, dia 9, a unidade retorna o funcionamento no horário regular das 7h30 às 17h. “Iremos fazer essa breve parada e após o feriado aguardamos os voluntários aptos, em boas condições de saúde, para colaborar com o serviço de doação de sangue”, convida a gerente de Captação do Hemocentro de Sergipe, Rozeli Dantas.
Ela ressalta que para doar sangue são necessários alguns critérios básicos, como estar bem de saúde, ter entre 16 e 69 anos de idade, pesar acima de 50 quilos e apresentar documento oficial, com foto, válido em todo território nacional, pode ser carteira de identidade, carteira de trabalho e carteira de motorista. “Essas orientações visam garantir a segurança do doador”, confirma a assistente social.
No dia da doação é necessário comparecer ao serviço estar bem alimentado, durante o procedimento é coletado até 450 ml de sangue. Além disso, os doadores devem ter dormido pelo menos seis horas na noite anterior à doação. Outra orientação é evitar fumar por duas horas e ingerir bebidas alcoólicas, nas 12 horas anteriores à doação.
Serviço
O Hemose está situado na Avenida Variante 1, S/N, bairro Capucho, no Centro Administrativo Governador Augusto Franco, vizinho ao Hospital de Urgência de Sergipe (Huse). Mais informações sobre campanha para doação de sangue, cadastro de medula óssea, palestras e visitas técnica através dos telefones: (79) 3225-8000, 3225-8039 e 3259- 3174.

Hemose: Oficina reforça importância da adesão dos hemofílicos ao tratamento

Cerca de 100 pacientes com hemofilia participaram da oficina ‘Quem Sou Eu’, coordenada pela gerência do Ambulatório do Centro de Hemoterapia de Sergipe (Hemose).  A atividade nesta quinta-feira, 4, iniciou os trabalhos com a apresentação do coral da Associação dos Voluntários  a Serviço da Oncologia em Sergipe (Avosos) enfatizou a  necessidade do paciente realizar de forma continua o seu tratamento.
Ao falar para o público presente a diretora Geral da Fundação de Saúde Parreira Horta (FSPH), Luciana Déda, instituição que gerencia o hemocentro, reafirmou o compromisso da gestão em melhorar cada vez mais, o atendimento prestado aos pacientes. “Esse momento aqui é de somação de forças para que vocês entendam o quanto é importante esse convívio para seguir com os seus tratamentos. Estamos empenhados em buscar atender todas as necessidades do público assistido no Hemose”, salientou a gestora.
O evento teve como foco promover a adesão do paciente ao tratamento, que pode ser profilático, ou preventivo. A profilaxia diminui as incidências de hemorragias e pode evitar que as articulações como, como joelhos, cotovelos e tornozelos, sejam prejudicadas pelos sangramentos repetitivos, causando danos irreversíveis que podem resultar em invalidez. Já a profilaxia evita internações em decorrência de hemorragias, além de contribuir para melhoria da qualidade de vida do hemofílico.
De acordo com o gestor do ambulatório, Weber Santana Teles, é essencial que o tratamento tenha periodicidade. “Estamos realizando também um cadastro para termos as estatísticas do quantitativo geral de pacientes com hemofilia. Também disponibilizamos a carteira do hemofílico e o diário de infusão ferramentas para viabilizar o atendimento desses pacientes nos serviços de saúde pública e conveniada, pois conterá o histórico da hemofilia e as medicações utilizadas ao longo do seu tratamento”, justificou.
Presente a atividade de educação continuada, o presidente da Associação Sergipana de Hemofilia, Augusto Cesar, afirmou que a oficina atingiu seu objetivo principal. “Foi um dia bastante proveitoso, pois conseguimos mobilizar crianças, adolescentes e adultos nesse momento, deixando-os cientes da importância da adesão dos mesmos ao tratamento disponível que temos hoje, mostrando a eles a maneira como podem e devem participar ativamente desse processo”, frisou.
Oficina
O evento contou ainda com apresentações de trabalhos científicos realizados por estagiários do ambulatório, com os temas: Perfil epidemiológico dos portadores de hemofilia A, B e doença de Von Willebrand; Atividades dos serviços transfusionais, além da implantação da carteirinha do hemofílico e diário de infusão.

Parceria Hemose e Funesa estimula doação de sangue

Nesta terça-feira, 2, o Centro de Hemoterapia de Sergipe (Hemose) recebeu a primeira etapa da campanha de mobilização para doação de sangue dos funcionários da Fundação Estadual de Saúde (Funesa). A ação tem como finalidade colaborar com o serviço e fomentar o hábito da doação de sangue regular entre servidores da saúde no Estado.
“Essa é a segunda vez que organizamos essa campanha com a participação dos funcionários. Primeiro realizamos uma palestra como forma de sensibilizá-los sobre a importância da doação de sangue e hoje o grupo colaborou com esse ato humanitário e de cidadania, que é a doação de sangue”, destacou a diretora Operacional da Funesa, Daniele Travassos.
As doadoras, Sayuri Tokeshito e Kelly de Lourdes Santos Amado aderiram ao movimento em defesa da vida. “A campanha da Funesa e a disponibilidade do transporte até o local da doação é um fator diferencial para quem trabalha, vim doar”, comentou Sayuri. “Estou feliz em retornar a doação, fiquei um pouco ausente em função da gravidez”, disse Kelly.
Um dos propósitos das campanhas coordenadas pelo Hemocentro de Sergipe está relacionado à fidelização dos voluntários para retornar ao serviço cumprindo os intervalos de, três meses para homens e quatro meses para mulheres, além de captar novos doadores. Ilka Louise Fontes Lima realizou a primeira doação por conta do incentivo da Fundação Estadual de Saúde. “Assisti a palestra e fique sensibilizada. Pretendo doar outras vezes”, avisou.
Para o Hemose as parcerias reperesentam instrumentos de promoção dos serviços ofertados na unidade. A gerente de Ações Estratégicas, assistente social Rozeli Dantas explicou que o sangue é utilizado para diversos fins, como atendimento de pacientes portadores de doenças do sangue, anemias, leucemias, cirurgias de grande porte, tratamento de pacientes renais e oncológicos. “Buscamos transmitir essas informações aos parceiros que são multiplicadores e, consequentemente incentivadores da doação de sangue”, salientou Dantas.
Mais informações sobre o serviço de doação de sangue, medula óssea, palestras, e visitais técnicas, através dos telefones: (79) 3225-8000, 3225-8039 e 3259-3174.

Hemose encerra primeiro semestre com 13.716 doações de sangue

Neste primeiro semestre de 2019, o Centro de Hemoterapia de Sergipe (Hemose) registrou 18.484 cadastros e 13.716 doações de sangue efetivadas. Deste total, 2.569 doações foram realizadas no mês de junho com a parceria de doadores fidelizados e 30 instituições solidárias que colaboraram com o atendimento da demanda transfusional, da rede hospitalar do Estado.
Os voluntários da Igreja Jesus Cristo dos Últimos Dias e da empresa G&E, encerraram as atividades da campanha, festejos juninos durante o mês de junho.  “Recebemos muitos doadores e queremos ressaltar o sentimento de solidariedade e de ajuda, ao apelo feito por familiares de pacientes, que estimularam a doação de sangue”, destacou a gerente de Ações Estratégicas Rozeli Dantas. “Essas doações atenderam pacientes em tratamento oncológico, cirurgias de grande porte, portadores de doenças do sangue, anemias, leucemias e aqueles com diagnóstico de dengue”, informou.
De acordo ainda com a assistente social, outro dado positivo em junho foi o aumento do número de instituições que mobilizaram voluntários para contribuir com a doação de sangue no Hemose. “A cada mês recebemos novos grupos e, em junho tivemos a Igreja Adventista Colônia Sergipe, Clube Desbravadores Comando Estelar de Tobias Barreto, Rotary Clube Aracaju Leste, empresa Inplast, além de outros parceiros”, pontuou Dantas.
Os grupos fidelizados atuam como agente incentivador dos cidadãos que ainda não conhece o serviço. A empresa G&E com atuação no município de Carmopólis sensibilizou os funcionários para necessidade constante de doações de sangue. “Decidimos organizar a campanha em junho por causa das informações veiculadas que é um mês onde acontece uma baixa nas doações”, disse Uflain França, da comissão de organização.
Parceiro fidelizado ao serviço a Igreja Jesus Cristo dos Últimos Dias retornou ao hemocentro para encerrar a programação das campanhas de junho. Na caravana o jovem Rafael Santos Soares, 20 anos, que doou sangue pela primeira vez. “Vi os irmãos se organizando para vim e decidi acompanhar”, contou.
Doador do sangue A positivo, Paulo José da Silva Filho participou pela segunda vez da campanha da igreja. “Muitas vezes as pessoas não doam por falta de alguém para incentivar, na igreja a gente dá as mãos e vêm. É uma forma simples de ajudar e de grande significado para quem vai receber”, declarou.
Critérios
Para ser um doador de sangue é preciso estar saudável, bem alimentado, pesar mais de 50 quilos, ter entre 16 e 69 anos e apresentar um documento oficial com foto. Os menores de 18 anos precisam apresentar o termo de consentimento assinado pelos pais ou responsável legal. O documento está disponível para download no site do Hemose: www.hemose.se.gov.br. Mais informações através dos telefones: (79) 3225-8000, 3225-8039 e 3259-3174.

 

Hemocentro de Sergipe realiza oficina para pacientes portadores de Hemofilia


O Centro de Hemoterapia de Sergipe (Hemose) realiza nesta quinta-feira, 4, a partir das 8h30, a oficina: ‘Quem Sou Eu – Implantação da Carteira de Identificação da Pessoa com Hemofilia e Diário de Infusão’. A atividade que acontece no auditório do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) em parceria com a Associação Sergipana de Hemofilia, tem como objetivo fazer a busca ativa de pacientes hemofílicos para adesão ao tratamento com equipe multidisciplinar do hemocentro.

A programação será dividida em dois momentos apresentação de palestra sobre a Adesão dos pacientes hemofílicos ao tratamento para qualidade de vida, conscientização e educação e a Mostra Cientifica de Indicadores referentes ao tratamento de coagulopatias hereditárias. Ao final, haverá o cadastro de pacientes com Hemofilia e a entrega do Diário de Infusão, carteira para acompanhamento da administração de fatores de coagulação.

De acordo com o gerente do Ambulatório, Weber Santana Teles, o evento busca a sociabilização e continuidade do tratamento dos pacientes com atendimento preconizado pelo Ministério da Saúde (MS). “A oficina visa promover a conscientização dos pacientes para a continuidade do seu tratamento no Hemose”, explica ao esclarecer. “O grande desafio do hemocentro é  a educação continuada e a disseminação do tratamento ofertado na rede pública de saúde para o paciente portador de Hemofilia”, pondera o biomédico.

O serviço realizado no ambulatório do Hemocentro de Sergipe conta com um cadastro de cerca de 350 pacientes para tratamento de hemofilia tipos A e B, Anemia Falciforme, Talassemia, doença de Gaucher, Won Willebrand, dentre outras anemias. Na unidade o atendimento é feito por uma equipe multidisciplinar, que vai desde médicos especialistas em doenças do sangue, enfermeiro, psicólogo, fisioterapeuta, odontólogo e assistente social. Para o controle da doença, o paciente também realiza regularmente, exames clínicos que mede a dosagem dos níveis dos fatores VIII e IX de coagulação sanguínea.

Hemofilia

É uma deficiência genético-hereditária que dificulta o mecanismo de coagulação sanguínea. Existem dois tipos de hemofilia: A e B. Na hemofilia A, ocorre por deficiência do fator VIII de coagulação do sangue e a hemofilia B, deficiência do fator IX. O ambulatório do Hemose funciona de segunda a sexta-feira, no horário das 7h às 17h. Mais informações através dos telefones: (79)3225-8000 e 3225-8046.