Ação solidária trabalha a conscientização para doação de sangue regular

A ação ‘Grau Solidário. Doe sangue. Salve vidas’, estimulou a adesão de alunos dos cursos de Radiologia e Enfermagem para doação de sangue e o cadastro de medula óssea no Centro de Hemoterapia de Sergipe (Hemose). A iniciativa solidária organizada pelo Centro de Ensino Grau Técnico, em Aracaju visa chamar a atenção para conscientização sobre a importância do ato de doar sangue regularmente.
Segundo a gerente de Ações Estratégicas, Rozeli Dantas as campanhas de grupos fidelizados são instrumentos para colaborar com a manutenção dos estoques de todos os grupos sanguíneos. “A cada visita técnica ou as doações conjuntas promovidas pelo Grau Técnico recebemos alunos doadores e novas adesões ao serviço, eles estão realizando mais uma ação de responsabilidade social que ajuda a salvar vidas”, destacou a assistente social.
No grupo Anderson Pereira dos Santos Nascimento e Alysson Daniel Oliveira Ludovice do curso de radiologia relataram com doam sangue pelo menos duas vezes ao ano. “Venho de forma espontânea e, também quando algum conhecido está precisando”, contou Nascimento que é doador há cerca de três anos.
Mônica Santos também participou da campanha e optou em fazer o cadastro para doador de medula óssea. Ela preencheu um formulário e doou uma amostra com 4 ml de sangue para testes de Histocompatibilidade (HLA). “Já tinha pensado nesse serviço, mas a oportunidade só apareceu mesmo com a campanha da escola. Se algum dia eu for compatível doarei minha medula com muita alegria”, avisou a estudante do curso técnico em enfermagem.
Critérios
Para doar sangue, basta estar em boas condições de saúde, ter entre 16 e 69 anos de idade, pesar mais de 50 quilos e portar documento de identidade original, com foto, válido em todo território nacional.  Menor de 18 anos somente com termo de autorização dos pais ou responsável legal. Mais informações através dos telefones: (79) 3225-8000, 3225-8039 e 3259-3174.

Estudantes do Colégio Estadual José Batista Nascimento realizam primeira doação de sangue

A solidariedade é o sentimento que impulsiona o ato da doação de sangue. Cerca de 30 estudantes do 3º ano do Ensino Médio, do Colégio Estadual João Batista Nascimento, localizado em Nossa Senhora do Socorro, colaboraram com o serviço no Centro de Hemoterapia de Sergipe (Hemose), depois de assistir uma palestra sobre o tema.

O comparecimento dos alunos tem um segundo motivo, o incentivo da professora de Biologia, Elizabete Gomes, que fez a solicitação de uma palestra junto a gerência de Captação do hemocentro. “Sempre organizo ações na escola referente ao Outubro Rosa e Novembro Azul. Ao ver os pedidos de doação de sangue nas redes sociais decidi fazer essa mobilização com meus alunos e a direção da escola apoiou completamente”, contou ao afirmar. “Para mim é motivo de orgulho eles estarem aqui doando sangue pela primeira vez”, completou Elizabete.

Reunidos na recepção da unidade o grupo composto por adolescentes na faixa etária de 16 a 18 anos de idade fez questão de demonstrar o compromisso com a doação. Hilary Santos e a colega Gabrielly Andrade Santos, comentaram a satisfação em ajudar. “A professora já tinha falado com a gente sobre a importância de doar sangue. Depois que assistimos à palestra e a uns vídeos decidimos apoiar”, comentaram.

“Quando tem alguém para falar da necessidade da doação e das pessoas que usam o sangue, fica mais fácil de entender, que muitas vidas podem ser salvas com essa ação”, salientou Richardson Araújo.

A gerente de Ações Estratégicas do Hemocentro de Sergipe, Rozeli Dantas, ressaltou solidariedade dos jovens. “Essas parcerias com jovens e adolescentes de escolas e universidades acabam gerando um resultado positivo, porque eles desenvolvem uma consciência de responsabilidade social e se tornam de fato, doadores regulares”, ressaltou a assistente social.

Mais informações sobre o agendamento de palestras, campanhas para doação de sangue, cadastro de medula óssea, coletas externas e visitas técnicas, através dos telefones: (79) 3225-8000, 3225-8039 e 3259-3174.

Hemose inicia nesta quinta capacitação em imunohematologia

O Centro de Hemoterapia de Sergipe (Hemose) inicia nesta quinta-feira, 25, no horário das 8h30 às 17h, uma capacitação na área de Imunohematologia.  A atividade no auditório da unidade, é realizada em parceria com a indústria Bio-Rad, tem como público alvo técnicos de laboratório, biomédicos, farmacêuticos, bioquímicos, que atuam na Hemorrede de Sergipe, encerra na sexta-feira, 26.
Em dois dias os profissionais irão rever conceitos e técnicas, relativas ao Sistema ABO e Subgrupos, Outros Sistemas de Grupos Sanguíneos, Pesquisa e Identificação de Anticorpos Irregulares (PAI), Provas de Compatibilidade Sanguínea, Doença Hemolítica do Recém-Nato (DHRN), Noções de reações transfusionais imunológicas, técnicas Imunológicas, dentre outros.
De acordo com a gerente de Imunohematologia do Hemose, Ana Paula Prata, a capacitação será uma grande oportunidade para troca de conhecimentos, debates e fortalecimento entre as equipes de trabalho do hemocentro e os profissionais que trabalham com hemoterapia nos hospitais e maternidades de Sergipe.
“A imunohematologia estuda e classificação dos grupos sanguíneos e ocorrências de reações transfusionais, por meio de reações imunológicas entre aglutinogênios – estruturas presentes na membrana das hemácias que são herdadas geneticamente dos pais e determinam os diversos grupos sanguíneos e anticorpos – proteínas responsáveis pela defesa imunológica do organismo”, informa a biomédica ao ressaltar que a capacitação tem como finalidade a padronização dos procedimentos nos laboratório para minimizar possíveis reações nos pacientes.
Educação
O processo de qualificação dos profissionais que trabalham com o ciclo do sangue visa à promoção de melhorias contínuas na prestação dos serviços de hemoterapia e hematologia. O trabalho realizado pelo Hemocentro de Sergipe busca assegurar uma segurança transfusional cada vez mais efetiva na rede hospitalar com o envolvimento de todos os profissionais da saúde.

Palestra alerta para importância de cuidados com a saúde

“Amadurecimento ativo”. Com esse tema, profissionais de educação física realizaram uma abordagem sobre os cuidados com a saúde para qualidade de vida e prevenção de doenças silenciosas como, hipertensão, diabetes e obesidade. A atividade nesta terça-feira, 23, contou com a participação de funcionários da Fundação de Saúde Parreiras Horta (FSPH) e do Centro de Hemoterapia de Sergipe (Hemose).
A palestra educativa integra o Programa de Preparação para a Aposentadoria (PPA) do plano de estágio institucional realizado em parceria com o Departamento de Psicologia da Universidade Federal de Sergipe (UFS). Na ocasião o profissional de educação física, Ayslan Jorge Santos de Araújo, destacou a importância de um planejamento na rotina de atividades físicas regulares sob a supervisão de um profissional. “Os funcionário passam muito tempo sentados, é essencial que os mesmos criem uma rotina de exercícios em seu ambiente de trabalho e fora”, salientou.
Durante a segunda a apresentação Izabella Cristina da Silva Santos, profissional residente em saúde da Família do Hospital Universitário (HU) apresentou dados estatísticos relativos as principais enfermidades que atingem a população sedentária. “Os números comprovam o aumento de pessoas com diabetes, pressão alta e obesidade. Com essa palestra queremos alertar para necessidade desse olhar para si mesmo, entender seus limites e se auto cuidar”, destacou.
A atividade proposta pelo estagiário do 9º período de psicologia, Everton Ribeiro dos Santos, monitorado pela psicóloga do hemocentro, Karine Tavares reuniu gestores, funcionários novatos e aqueles próximo da aposentadoria. “Semanalmente estamos realizando dinâmicas de grupo, orientação e palestras sempre com o olhar voltado para o cuidado com a saúde física e mental”, frisou Everton.
Participação
“Foi bastante positivo esse momento, assim podemos visualizar a importância da pratica de exercícios físicos para saúde em todos os seus aspectos, físico, social e emocional dos profissionais que em algum momento de sua vida irão se afastar de suas atividades profissionais”, comentou Rozeli Dantas, gestora da Captação.
Para o servidor público, Wellington Santana, a palestra também foi uma oportunidade para tirar duvidas sobre o corpo. “Realmente não tenho costume de fazer exercícios e cuidar da nossa saúde é vital”, confirmou.

Hemocentro de Sergipe retoma doação aos sábados para grupos agendados

O Centro de Hemoterapia de Sergipe (Hemose) retornou o serviço doação aos sábados, no horário das 7h Às 11h, para grupos agendados, doadores de sangue Rh negativo e plaquetaférese, método que permite coletar apenas a plaqueta, componente sanguíneo com validade de apenas cinco dias. A medida visa prestar um atendimento com mais conforto e qualidade aos voluntários, além da coleta, para uso racional do sangue e demais hemocomponentes.
A diretora Geral da Fundação Parreiras Horta, Luciana Déda, informou que a reabertura do Hemose cumprirá um calendário de dois sábados a cada mês, para atender os voluntários previamente agendados. “Estamos realizando um planejamento com áreas técnicas para prestação de serviços com qualidade e sustentabilidade”, ressaltou ao explicar. “Os processos de coleta e produção de sangue envolvem múltiplas questões, por isso, que nesses sábados a proposta é realizar um trabalho com foco no redimensionamento do estoque”, salientou Luciana.
Com base nesse modelo de atendimento o Hemocentro recebeu no último sábado, 20, a campanha do grupo “Amigos de Wallace” e a doação de plaquetas por Aférese do voluntário, Reuton Correia Azevedo. “Estamos satisfeitos pela realização dessa ação. Decidimos em nosso grupo fazer uma ação conjunta e a doação de sangue foi o serviço que, em comum acordo, concordamos nos mobilizarmos para fazer”, disse o advogado Wallace Teles Conceição.
No grupo, a doadora do sangue, O negativo, Jussara Nolasco de Almeida, reafirmou sua satisfação em colaborar. “A doação é algo importante porque estamos ajudando a salvar vidas. E, para mim a responsabilidade ainda é maior, pois sou doadora universal. Saber que o meu sangue pode ajudar qualquer pessoa é algo transformador”, frisou.
Outro serviço diferenciado nesses sábados será a doação de plaquetas, esse componente do sangue atende pacientes com doenças hemorrágicas por plaquetopenia, pacientes oncológicos, dengue hemorrágica, dentre outras doenças que atenda aos protocolos para infusão deste hemocomponente.
“Para mim é uma alegria  enquanto doador regular também prestar esse apoio doando apenas as minhas plaquetas. Sei que estarei ajudando mais pacientes que precisam desse importante componente do sangue”, comentou Euton Correia, durante a plaquetaférese.
Campanhas
Para mais informações sobre o serviços durante os sábados, os líderes de grupos devem entrar em contato com a gerência de Captação de Doadores do Hemose, de segunda a sexta-feira, no horário das 7h30 às 17h. “Estamos disponíveis para prestarmos informações e, também realizarmos o agendamento das campanhas que, agora também serão programadas para os sábados em que houver abertura da unidade”, relatou Rozeli Dantas ao confirmar que no próximo sábado, dia 27, a doação irá funcionar para atendimento dos grupos agendados.

 

Hemose capacita profissionais para deslocamento de sangue para hospitais em Sergipe

A legislação hemoterápica sobre transporte de hemocompontentes foi o ponto central da capacitação realizada na tarde desta quinta-feira, 18 pela gerência da Hemorrede do Centro de Hemoterapia de Sergipe (Hemose). A atividade de educação em saúde relativa aos ciclos do sangue reuniu cerca de trinta profissionais que realizam o transporte de hemocomponentes para unidades hospitalares do Estado de Sergipe.

“O objetivo é que esses trabalhadores possam contribuir realizando suas atribuições conforme a legislação. A hemoterapia tem vários critérios que devem ser cumpridos. Um deles é o deslocamento do sangue do hemocentro até as agências transfusionais localizadas nos hospitais”, explicou o enfermeiro Rodrigo Damasceno.

Na ocasião, foram abordados temas relativos ao manuseio do sangue como, por exemplo,  arrumação correta da caixa de transporte; temperatura adequada do transporte de componentes do sangue, além de orientações sobre condutas a serem tomadas mediante avarias no transporte, dentre outros.

Segundo ainda o enfermeiro o transporte é de fundamental importância para o sangue chegar ao seu destino, nesse caso a unidade hospitalar, com a qualidade atestada durante todas as fases anteriores do processo de coleta e fracionamento do sangue em plaquetas, hemácias e plasma. “As orientações são basicamente quais são os cuidados que o transportador do sangue precisa adotar durante a realização desse trabalho. A Hemorrede atua em todas as fases do ciclo de produção do sangue, desde a coleta até a transfusão no hospital”, justificou o profissional.

Ele finalizou as atividades da capacitação tirando duvidas do público presente. “O treinamento em saúde é uma ferramenta que faz parte das metas da hemorrede estadual, visando sempre à melhoria dos processos de trabalho de todos os colaboradores”, pontuou Rodrigo Damasceno.

Aprendizado

A auxiliar de enfermagem Rosângela Menezes, realiza o transporte do sangue para o Hospital Universitário (HU) e Valquimar Santos, para Maternidade Santa Isabel, consideraram importante o momento. “Aprendi mais sobre o sangue e a importância de seguir os procedimentos da legislação. Aqui tivemos a oportunidade de tirar duvidas com um profissional do Hemose e trocar informações com outros colegas que realizam o mesmo serviço”, disse Rosângela.

Funcionários solidários colaboram com estoques de sangue do Hemose

O Centro de Hemoterapia de Sergipe (Hemose) esta resgatando o programa Santo de Casa Também Faz Milagre, que tem como finalidade o envolvimento dos funcionários públicos para colaborar com os serviços de doação de sangue, doador de plaquetas por Aférese e doador de medula óssea. Nesta quinta-feira, 18, a iniciativa partiu dos profissionais, Amanda Jéssica, Alan Eric Andrade Oliveira e Marcos José Costa Rezende.

A diretora geral da Fundação de Saúde Parreiras Horta (FSPH), Luciana Déda, comentou sobre a parceria dos profissionais da instituição. “O Hemose realiza diversas campanhas de doação de sangue com órgãos da inciativa pública e privada e, para mim, é uma satisfação saber que temos colaboradores compromissados com seu trabalho e ainda com essa causa que é humanitária”, salientou.

Na sala de coleta os colaboradores destacaram a importância do serviço para salvar vidas. “Tem mais ou menos quatro anos que fiz a minha primeira doação de sangue. Pelo menos a cada três meses faço questão de prestar essa ajuda ao próximo”, disse o coordenador Financeiro  da FSPH, Alan Eric. “Comecei a doação em 2018 depois de vê nos noticiários a necessidade de pacientes que precisam de sangue”, completou Marcos.

A gerente de Ações Estratégicas, Rozeli Dantas, elogiou a atitude altruísta dos servidores que se disponibilizam em cooperar, especialmente nos períodos de maior necessidade, onde há baixa nas doações ou, ainda, para ampliação das doações de plaquetas por Aférese. “A instituição de forma geral tem muitas mulheres e homens dispostos em colaborar com a causa. Esse comprometimento de todos os voluntários é essencial para manutenção dos estoques de todos os grupos sanguíneos, O, A, B e Ab, positivo e negativo para o atendimento de toda hemorrede”, informou a assistente social.

Ela explicou ainda que para manter o estoque com um nível de segurança regular e conseguir atender a demanda hospitalar, é necessário um mínimo de 100 doações por dia. “O sangue coletado aqui no hemocentro atende a diversas situações, como pacientes em tratamento de leucemias, câncer, renais crônicos, anemias crônicas e as pessoas vitimas de acidentes que dão entrada nos hospitais através dos serviços de emergências, que precisam ser submetidos a procedimentos cirúrgicos”, pontuou Dantas.

Atendimento

Para ser um doador é preciso ser saudável, estar bem alimentado, ter mais de 50 quilos e idade entre 16 a 69 anos. Menor de 18 anos somente com termo de autorização dos pais ou responsável legal. No dia da doação o voluntário deve apresentar um documento de identidade original, com foto, válido em todo território nacional. Mais informações sobre os serviços através dos telefones: (79) 3225-8000, 3225-8039 e 3259-3174.

Adolescentes com idades entre 16 a 17 anos doam sangue incentivados pelos pais

Pedro Henrique Porto Andrade, 16 anos, cursa o 2º ano do Ensino Médio e decidiu seguir o exemplo dos pais e se tornar um doador voluntário de sangue.  Na sala de coleta do Centro de Hemoterapia de Sergipe (Hemose) o estudante comentou da satisfação em poder doar. “Meus pais são doadores, minha mãe sempre me convida para acompanha-la. Achei tudo muito seguro e tranquilo. Irei retornar sempre”, declarou o novo doador.
Cristiane Cardoso de Andrade, mãe de Pedro, relatou que passou a doar sangue há cerca de cinco anos. Ela disse que sua motivação surgiu a partir do serviço de voluntariado que realiza na ala Azul e no serviço de oncologia do Hospital de Urgência de Sergipe (Huse). “Eu presto apoio aos pacientes desses setores, suas limitações e a fragilidade dos familiares, me despertou para ser uma doadora de sangue”, resumiu ao informar. “Sou Ab negativo. Sangue raro”, justificou.
Para o menor de idade, na faixa etária de 16 a 17 anos poder doar sangue é necessário a apresentação do termo de autorização. O documento é um formulário próprio, fornecido na unidade, e está disponível para download no endereço eletrônico: www.hemose.se.gov.br. No ato do cadastro no hemocentro, o voluntário faz a entrega do termo devidamente preenchido, assinado e com cópias do documento de identidade do menor doador e do responsável legal.
De acordo com a gerente de Ações Estratégicas do Hemose, Rozeli Dantas, o público juvenil é bastante receptivo aos pedidos de pai, mãe e irmãos, que já são doadores de sangue. “Diariamente recebemos campanhas promovidas por escolas que organizam gincanas ou feiras de ciência trabalhando a temática doação de sangue. Eles acabam vindo ao Hemose para pesquisar e também doam sangue pela primeira vez”, detalhou a assistente social.
Serviço
Estão aptos a doar sangue candidatos em bom estado de saúde, idade entre 16 a 69 anos, peso acima de 50 quilos. É necessário portar documento de identidade original, com foto, válido em todo território nacional. No dia anterior a doação de sangue é preciso dormir pelo menos 6 horas, e não ingerir bebidas alcoólicas nas 12 horas que antecede o procedimento. Mais informações através dos telefones: (79) 3225-8000, 3225-8039 e 3259-3174 ou pelo e-mail: ssocial.hemose@fsph.se.gov.br.

Capacitação aprimora técnicas para testes que antecedem a transfusão sanguínea

O aprimoramento das técnicas para realização dos testes de prova de compatibilidade, pesquisa de anticorpos irregulares, prova cruzada, tipagem sanguínea, reclassificação ABO, fenotipagem RH estendida, prova direta e reversa, requer a constante renovação do conhecimento. Com esse fim a gerência da Hemorrede do Centro de Hemoterapia de Sergipe (Hemose) promove capacitações para os profissionais que atuam nas Agências Transfusionais (AT’s) da rede hospitalar.
Durante o treinamento prático que aconteceu no laboratório de Imunohematologia do Doador no Hemocentro, os técnicos que trabalham na agência transfusional do Hospital Regional de Itabaiana Garcia Moreno realizaram testes utilizando a metodologia, técnica em gel, que tem como principal benefício melhorar a segurança das transfusões de concentrado de hemácias, concentrado de plaquetas, concentrado de hemácias hemoglobina S positiva, dentre outros procedimentos.
Conforme Jandson Marques, profissional da Hemorrede responsável pela capacitação, o detalhamento dos testes pre-transfusionais oportunizam mais conhecimentos sobre a rotina no laboratório. “Antes de qualquer transfusão de sangue são realizados testes de compatibilidade entre a bolsa doada que esta na unidade e uma amostra de sangue do paciente, cuja finalidade é amenizar possíveis reações transfusionais ao receptor”, explicou.
Ele ressaltou ainda que os procedimentos realizados no Hemose e, consequentemente na hemorrede cumpre a legislação do Ministério da Saúde (MS), que orienta o serviço de coleta, processamento e distribuição de sangue. “Esses testes são regulamentados por normas técnicas e duram em média de quarenta minutos à uma hora quando a compatibilização é feita logo nas primeiras bolsas testadas”, concluiu.
Aprendizado
Para o técnico José Valquírio Vieira Santos a capacitação é importante em função da dinâmica no atendimento hospitalar. “Enquanto profissionais precisamos ter conhecimento de detalhes que são muito específicos do sangue e, assim podemos realizar as técnicas de banca com mais segurança”, disse.

Hemose: Atividades de integração colaboram com o tratamento de pacientes com enfermidade do sangue

Para o cuidado e a promoção do bem estar dos pacientes que realizam tratamento no ambulatório do Centro de Hemoterapia de Sergipe (Hemose) o serviço organiza periodicamente atividades sociais voltadas à integração. “Temos um calendário que ocorre anualmente para marcar datas comemorativas como o Dia da Hemofilia, a celebração do Carnaval, Festas Juninas, Dia das Crianças e Natal”, destacou o gerente do setor, Weber Santana Teles.
Conforme o biomédico as ações sociais coordenadas pela equipe multidisciplinar são destinadas ao público adulto e infantil e contemplam palestras sobre os tratamentos e medicações disponibilizados pelo Sistema Único de Saúde (SUS), infusão de fator de reposição, oficina de pintura, rodas de conversas, além de atividades lúdicas realizadas no ambulatório da unidade.
“Os projetos visam à integração das pessoas portadoras de hemofilia, anemia falciforme, doença de Gaucher, Won Willebrand. Eles podem levar uma vida igual a de outras pessoas e, estudar, trabalhar e constituir família”, destacou Weber ao ressaltar a importância da participação da família. “Quanto mais apoio esses pacientes receberem melhor será seu convívio com as enfermidades”, frisou.
A apresentação da quadrilha junina Eternos Heróis de Malhador foi o último evento social que integrou pacientes, profissionais e familiares. A programação teve início com dinâmica de apresentação conduzida pela assistente social, Andrezza Ribeiro e a psicóloga Karine Tavares. “Através da realização de atividades lúdicas, como a pintura os paciente podem ampliar o olhar em relação à doença. Já os eventos sociais como as apresentações de grupos e rodas de brincadeiras, estimulam a alegria e a felicidade, para que eles saiam desse ambiente do tratamento”, justificou Karine.
Integração
Ester da Silva mãe do paciente Durval Militão de Araújo, que realiza tratamento para hemofilia faz questão de acompanhar o filho junto com a irmã, Maria Julia. “A equipe do Hemose recebe meu filho com muito carinho. Esse contato com outras pessoas que também vivem com a mesma doença é essencial para o desenvolvimento dele”, comentou.A dona de casa Simone Santos de Jesus Anjos acompanha o tratamento para controle da anemia falciforme de Gean Crisley. “Ele precisam viver com a doença e também fazer tudo que uma criança normal faz”, acrescentou.
Atendimento
Para ter acesso aos serviços ofertados no ambulatório do Hemose o paciente precisa apresentar um documento de identidade e o encaminhamento médico para o tratamento de Hemofilia, Anemia Falciforme, Won Willebrand, Gaucher, dentre outras enfermidade do sangue. O serviço funciona de segunda a sexta-feira, no horário das 7h30 às 17h. Mais informações através dos telefones: (79)3225-8000 e 3225-8046.